Buscar
  • Cultura Iminente

Projectcovid19.org – entrevista com Emily Diamond


A produtora Cultura Iminente está apoiando através de divulgações em suas páginas e também através do evento multicultural Espiral das Artes, o concurso internacional ‘Art Advancing Helth – Reflections of the 2nd Year of the Pandemic’, promovido por ‘projectcovid19.org’. A iniciativa prevê prêmios de $ 100, $ 50 e $ 30 respectivamente para 1º, 2º e 3º lugar de cada categoria e Certificado de Excelência em Arte para o Serviço de Saúde até o 4º lugar. O concurso é destinado para maiores de 18 anos e não há taxa de inscrição! As pessoas interessadas podem concorrer em 4 categorias, ‘1-Arte à mão livre, 2-Arte digital, 3-Fotografia e 4-Cartum e arte editorial, podendo enviar até 5 trabalhos até o dia 20 de maio de 2021. Os trabalhos devem ser digitalizados na resolução 300DPI, modo de cores RGB, no formato JPG, com tamanho máximo de 2Mb. Os vencedores serão anunciados em 1º de agosto de 2021.


Tivemos a oportunidade de entrevistar, mesmo que a distância, a idealizadora do projeto, a professora e psicóloga Emily Diamond. Segue aqui a entrevista que nos cobre de esperança por sabermos que pessoas de diversas partes do mundo se solidarizam e partilham de um sentimento universal, onde as fronteiras e distâncias se dissolvem através de suas ações que buscam ajudar incondicionalmente.


Entrevista com Emily Diamond


1.Quem é Emily Diamond?


Eu nasci nos Estados Unidos, minha mãe nasceu no Japão, um lugar onde minha família morou por muitos anos. Na primeira metade da minha vida, concentrei-me principalmente nas artes, literatura, história da arte, desenhos para crianças, poesia, pinturas e fotografia documental. Mais tarde, fui para a escola de pós-graduação para estudar psicologia clínica e, naqueles anos, concentrei-me na pesquisa, no papel das toxinas ambientais, na interseção das doenças médicas e do sofrimento psicológico. Eu ainda me concentro nessas coisas, com um foco adicional na desigualdade em saúde.



2.Como e quando surgiu a ideia do projectcovid19.org?


Existem vários motivos pelos quais iniciei o projectcovid19.org. Como professora, sinto que será para sempre minha obrigação ensinar sobre esta pandemia, e não apenas de minha própria perspectiva, mas compartilhar com os alunos no futuro como foi esta época em todo o mundo. Podemos estar isolados, mas pandemias são, por definição, eventos internacionais, e precisamos de um registro de como as pessoas vivenciaram isso. Do contrário, como podemos esperar tratar o luto ou o trauma de maneira adequada? Como podemos estar no lugar de outra pessoa e ver a vida de sua perspectiva? Como as pessoas da saúde pública podem compreender esse evento com nuances suficientes para entender onde estavam as falhas e como as sociedades podem e devem fazer melhor? Quando as pessoas olham para trás em um evento, elas geralmente usam evidências históricas seletivamente. Quero dar às pessoas a oportunidade de compartilhar sua experiência e ter certeza de que não é um pedaço da história esquecido, porque senão, só os mais barulhentos têm voz. Para aqueles que vivem através desta pandemia, quero construir um lugar onde possamos compartilhar nossas experiências em um contexto que seja respeitoso.



3.O objetivo é reunir produções artísticas de todas as partes do mundo inspiradas na experiência do convívio com a pandemia? Pode nos dar mais detalhes?


Projectcovid19.org coleta muitos tipos de obras, temos poemas, pinturas, ensaios, arte editorial, fotografias e cartas para as pessoas no futuro. Temos até uma música. Este projeto não é apenas como as pessoas estão vivendo durante a pandemia, mas também começaremos a entender como é ser um sobrevivente do vírus. Em minha pesquisa Covid-19 com sobreviventes, o vírus pode tornar as coisas simples em tarefas mais desafiadoras, por exemplo, atividades que a pessoa amava podem se tornar impossíveis e novos problemas de saúde podem surgir. Haverá muitos que não poderão continuar a trabalhar nos empregos que tiveram. Cada uma dessas pessoas têm uma história com a qual devemos aprender também. Uma parte do meu trabalho é olhar para as estatísticas e, para equilibrar, tenho paixão pelas artes e por aprender sobre a experiência humana. Para mim, este arquivo vai me ajudar como professora, porque meus alunos têm grande probabilidade de trabalhar em cidades internacionais e eu quero que eles tenham o melhor entendimento possível sobre o custo desta tragédia. Para outras pessoas, elas podem usar o arquivo de forma diferente. Acima de tudo, espero que o arquivo permita que as pessoas se vejam no lugar da outra pessoa.


Sobre como a arte entra no arquivo, alguns artistas nos encontram e enviam suas obras para o arquivo. Às vezes eu vejo e entro em contato com o artista. Eu tento e me certifico de que ele seja salvo com o nome do artista, quaisquer dados biográficos que ele gostaria de ter arquivado com sua peça e um título da peça. Existem algumas peças no arquivo em que a arte é um comentário direto sobre o tratamento da pandemia ou, de alguma forma, parece que pode haver um risco para o artista. Por este motivo, escreverei de volta ao artista e verificarei o que eles gostariam. Por esse motivo, temos algumas coisas sem nome exibido ou dados biográficos.



4.Qual a importância de se reunir todas essas manifestações artísticas a que o projectocovid19.org se propõe? Como e de que forma isso pode ser benéfico para as pessoas e a quem atende?


Se olharmos para alguns dos maiores problemas que nosso mundo enfrenta, embora tenhamos sido aproximados eletronicamente, não nos tornamos necessariamente mais empáticos ou mais compreensivos em um momento em que isso é muito necessário. Portanto, precisamos de um lugar onde possamos reunir nossas histórias e obras de arte. O Projectcovid19 é simplesmente um lugar para se expressar e, talvez, se tivermos sorte, de encontrar nossa humanidade comum em meio à variedade de nossas experiências. Por enquanto, eu supostamente deixei de lado uma função pela qual as pessoas podem comentar sobre a arte que veem. Fiz isso porque quero mostrar a arte como ela chegou, colocando a arte de artistas experientes ao lado daqueles que estão apenas começando, e não fomentando comentários, mas apenas observação silenciosa. Basta uma observação desdenhosa para realmente magoar alguém. É importante ressaltar que podemos aprender com todos no arquivo, e essa pode ser uma das maiores lições de todas.



5.E o concurso ‘Art Advancing Helth – Reflections of the 2nd Year of the Pandemic’, quem pode participar e de que forma?


O concurso de arte está aberto a todos os maiores de 18 anos. Nosso site (https://projectcovid19.org/) fornece os detalhes do concurso. Adoro arte feita por crianças, mas uma das razões pelas quais não faz parte deste concurso é porque este é um momento muito difícil para as pessoas, e não quero que um jovem artista sinta que não gostamos ou apreciamos sua arte. Gosto muito da arte que os pais submeteram ao nosso arquivo, feita por seus filhos.



6.Quem mais está envolvido nesse projeto?


Comecei este projeto sozinha, mas depois procurei dois ex-alunos meus, o Dr. Cale Wright e o Dr. Nouf Al-Rashid. Ambos são amigos um do outro e pessoas incríveis que tenho sorte de ainda conhecer e manter contato.


Para este concurso, um dos jurados é um artista do Azerbaijão chamado Seyran Caferli. Logo no início, quando comecei o projeto, contei a ele por que o estava fazendo, ele foi extremamente generoso e recebi um e-mail com várias de suas obras. Seu trabalho foi o primeiro que vi e falou diretamente com o desdobramento da fome na pandemia. Quando a violência estourou no Azerbaijão, escrevi para ele perguntando se ele estava seguro, e esse é o início de muitos outros e-mails. Depois, através do projeto, também conheci o Thiago Lucas, e acabei escrevendo um artigo inteiro sobre ele e seu trabalho. Ele também faz parte do concurso. Somos internacionais e acho que isso nos ajuda, porque onde preciso aprender algo, tenho pessoas ao meu redor a quem posso perguntar. Se eles estão curiosos sobre algo, eles também têm pessoas para perguntar.



7.Esse repositório ficará disponível de que forma no futuro? Todos terão acesso?


Qualquer pessoa está livre para visitar o arquivo do Projectcovid19. Gostaria de adicionar funções de tradução ao nosso site para que fique mais acessível. Sobre os planos futuros do arquivo, felizmente os arquivos eletrônicos são fáceis de transmitir a outras pessoas, portanto, em um futuro muito distante, podem ser armazenados em outro lugar. É importante ressaltar que isso é para todos. Espero que os artistas da pandemia encontrem aqui seu lar.



8.Em termo de humanidades, quais os ensinamentos Emily Diamond imagina que iremos tirar dessa experiência vivida com a pandemia?


Já estou aprendendo muito com o arquivo do Projectcovid19. Em fevereiro de 2020, numa época que nos Estados Unidos não tínhamos certeza se estávamos em uma pandemia, vimos a arte surrealista do artista Tommy Fung. Ele foi criado na Venezuela e residia em Hong Kong na época em que fez uma incrível fotomanipulação surrealista de uma cena de rua de Hong Kong. Nela, as pessoas estão caoticamente procurando por máscaras. Aqui nos Estados Unidos, eu ainda dava aulas, e as pessoas aqui podiam nem ter uma máscara. Depois, em Nairóbi, vimos as esculturas em pedra de animais e pessoas usando máscaras de Irene Wanjiru. Irene nasceu em um vilarejo nas encostas do Monte Elgon, que fica entre o Quênia e Uganda. É um lugar profundamente rico em animais e plantas. Então, mesmo se você pegar as esculturas de pedra de Irene Wanjiru e o surrealismo urbano de Tommy Fung, você pode ver um traço comum da pandemia, mas você pode ver como eles usaram de forma diferente sua arte, humanidade, intelecto e criatividade para comentar visualmente sobre a pandemia. Agora também temos coisas que falam diretamente sobre o preconceito, a fome, a violência e a solidão. O arquivo do Projectcovid19 é como uma canção com muitas partes, juntos estamos fazendo algo mais do que a soma das partes, uma estrofe de cada vez.



9.Se você pudesse falar a toda humanidade uma mensagem hoje, qual seria?


Entre as coisas que estudo está o impacto das mudanças climáticas e desastres naturais. Enquanto tentamos sobreviver à pandemia, muitos em todo o mundo enfrentam incêndios, tufões, inundações, furacões e muito mais. Portanto devemos encontrar uma maneira de usar as ferramentas de que dispomos para construir conexões fortes, respeitosas e cheias do intelecto e do humanismo de que somos capazes. As artes têm grande potencial para construir pontes. Também é o caso que se não escrevermos ou desenharmos nossa história, alguém a escreverá para nós. Seja corajoso.


Mais informações em projectcovid19.org.


Formulário para inscrição em:

https://projectcovid19.org/contest-submission-form-1




Questions to Emily Diamond



1.Who's Emily Diamond?


I was born in the United States, my mother was born in Japan, a place where my family had a home for many years. For the first half of my life, I focused mostly on the arts, literature, art history, drawings for children, poetry, paintings, and documentary photography. Later on I went to graduate school to study clinical psychology, and in those years I focused on research, the roll of environmental toxins, the intersection of medical illness and psychological distress. I still focus on those things, with an added focus on health inequality.


2.How and When did the projectvid19.org idea come up?


There are several reasons I started Projectcovid19.org. As a professor, I feel it will forever be my obligation to teach about this pandemic, and not just from my own prespective, but to share with students in the future what this time was like around the world. We may be separated by boarders, but pandemics are by definition international events, and we need a record of how people experienced this. Otherwise, how can we hope to treat grief or trauma adequately? How can we stand in another person’s shoes and see life from their perspective? How can those in public health understand this event with enough nuance to understand where the failures were, and how societies can and should do better?


When people look back on an event, people often use historical evidence selectively. I want to give people an opportunity to share their experience and make sure that it is not a forgotten piece of history, because otherwise, only the loudest have a voice. For those living through this pandemic, I want to make a place where we share our experiences in a context which is respectful.



3.Is the aim to gather artistic productions from all over the world inspired in the living with the pandemic experience? Could you give us further details? (more functional explanation on how the project happens in practice)


Projectcovid19.org collects many kinds of work, we have poems, paintings, essays, editorial art, photographs, and letters to people in future. We even have one song. This project is not just how people are living through the pandemic, we will also begin to get things about what it is like to be a survivor of the virus. In my Covid-19 research of survivors, the virus can make simple things more challenging, for example, activities the person loved may become impossible, and new health problems may arise. There will be many who cannot continue to work in the jobs they had. Each of these people has a story we must learn from too. One part of my work is to look at statistics, and for balance, I have a passion for the arts and learning about the human experience. For me, this archive will help me as a teacher, because my students are very likely to work in international cities and I want them to have the fullest possible understanding of the toll of this tragedy. For another person, they may use the archive differently. Most of all, I hope the archive allows people to step into the shoes of another person.


About how the art comes in the archive, some artists find us and submit their artwork to the archive. Sometimes I see it and contact the artist. I try and make sure that it is saved with the artist’s name, any biographic data they would like to have archived with their piece, and a title of the piece. There are a few pieces in the archive where the art is a direct commentary on the handling of pandemic, or in some way it feels like there might be a risk to the artist. For this reason, I will write back to the artist and check to see what they would like. For that reason we have some things with no displayed name or biographical information.



4.What's the importance of gathering all these artistic manifestations that the projectcovid19.org suggests? How can it be benefitial to the people and who is it for?


If we look at some the largest problems our world faces, while we have been brought closer electronically, we have not necessarily become more empathetic, or more understanding at a time that this is very needed. So we need a place where we can gather our stories and artworks. Projectcovid19 is simply a place to express oneself, and perhaps if we are lucky, to find our common humanity amidst the variety of our experiences. For now I have puposefully left off a function whereby people can comment on the art they see. I did this because I want to show the art as it arrived, placing the art of seasoned artists next to those who are just starting, and not fostering commentary, but just silent observation. It only takes one contempuous remark to really hurt someone. Importantly, we can learn from everyone in the archive, and that may be one of the biggest lesson of all.



5.And the Competition 'Art Advancing Health - Reflections of the second year of the Pandemic', who can take part of it and How?


The art contest is open to anyone who is at least 18 years old. Our website (https://projectcovid19.org/) provides the details of the contest. I love art done by children, but one reason it is not part of this contest is because this is a very difficult time for people, and I don’t want a young artist to feel that we didn’t like or appreicate their art. I very much enjoy the art parents have submitted to our archive done by their children.



6.Who else is involved in this project?


I began this project alone, but then reached out to two previous students of mine, Dr. Cale Wright and Dr. Nouf Al-Rashid. They are both friends of eachother, and incredible people who I feel lucky to still know and remain in touch with.


For this contest, one of the judges is an artist in Azerbaijan named Seyran Caferli. Early on when I first began the project, and I told him why I was doing it, and he was extremely generous and I got an email with several of his artworks. His work was the first I saw which spoke directly to the hunger unfolding in the pandemic. When violence broke out in Azerbaijan, I wrote to him asking if he was safe, and that is the start of many more emails. Then through the project I also met Thiago Lucas, and ended up writing a whole article on him and his work. He is also a part of the contest. We are international and I think that helps us, because where I need to learn something, I have people around me I can ask. If they are curious about something, they have people to ask too.



7.How will this repository be avaliable in the future? Will everybody be able to access it?


Anyone is free to visit the archive. I would like to add translation functions to our website so it is more accessible. About future plans of the archive, luckily electronic archives are easy to pass on to others, so in the very distant future it may be housed elsewhere. Importantly, this is for everyone. I hope artists of the pandemic find this as their home.



8.In terms of human affairs, what are the lessons Emily Diamond imagine will be learnt from this experience lived with the pandemic?


I am already learning a lot from the archive. In February of 2020, at a time that in the US, we were not quite sure we were in a pandemic, we have art from the surrealist artist,Tommy Fung. He was raised in Venezuela and residing in Hong Kong at the time he did an incredible surrealist photomanipulation of a Hong Kong street scene. In it, people are chaotically grabbing for masks.

Here in the US, I was still teaching in the classroom, and people here may not have even owned a mask. Then from Nairobi we have Irene Wanjiru’s stone carvings of animals and people wearing masks. Irene was born in a village on the slopes of Mount Elgon, which straddles Kenya and Uganda. It is a place profoundly rich in animals and plants. So even if you take Irene Wanjiru’s stone carvings, and Tommy Fung’s urban surrealism, you can see both a common thread of the pandemic, but you can see how differently they used their artistry, humanity, intellect and creativity to visually comment on the pandemic. We also now have things which directly speak to prejudice, hunger, violence and lonliness. The archive is like a song with many parts, together we are making something more than the sum of the parts, one stanza at a time.



9.If you could send a message to the whole mankind today, what message would be?


Among the things I study is the impact of climate change and natural disasters. As we try and survive the pandemic, many around the world are faced with fires, typhoons, flooding, hurricanes and more. So we must find a way to use the tools we have to build connections to one another that are strong, respectful, and full of the intellect and humanism we are capable of. The arts hold great potential to build bridges. It is also the case that if we don’t write or draw our history, someone will write it for us. Be brave.

56 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Espiral de Terapias: a reflexão do mundo místico

No último dia 21 de dezembro (que aconteceu no não saudoso ano de 2020), os planetas Saturno e Júpiter se alinharam formando um evento chamado A Grande Conjunção, que não acontecia desde a Idade Média