Buscar
  • Cultura Iminente

Galeria Espiral 20/03: ver e sentir

Na Galeria Espiral deste sábado (20/03), prepare-se para ver o que há por trás da arte transbordando a sua tela e cutucando o seu coração. Trouxemos quatro artistas incríveis que expõem verdade, sentimentos, buscas, trajetórias, intimidades, resgates que sem dúvida alguma, despertam emoções e sensações em quem vê. Você, de verdade, não pode perder esta oportunidade. Todas as obras foram criadas, especialmente, para serem lançadas no Espiral das Artes Virtual 2021. Olha só um pouco do que você vai encontrar:




Java Araújo: possui mais de vinte anos dedicados à produção artística. Transita em universos variados das artes visuais, produzindo cenários para teatro e ilustrações de livros de diversos gêneros. Tem um traço fluido e versátil. Nos trouxe, para a Galeria Espiral de hoje, a consciência do reaproveitamento, a sutileza de um olhar sobre o corpo, sobre a natureza, a explosão de cores vivas, o deslumbramento de imagens tão perfeitas em telas de papelão. Isso mesmo! Aquele papelão que a gente acaba jogando no lixo! Sua exposição é intitulada como Memória do Cotidiano.




Rogério Alves e Malú Bazán: ele segue vivendo no mundo das artes cênicas e visuais há quase 30 anos, não gosta de ser chamado de multi-artista, mas que nome se dá a quem trabalha com tantas linguagens artísticas? Dança, teatro, design, fotografia, filmagens, edição de vídeo, direção, produção, palhaçaria, além de grande habilidade em lidar com pressão e gente, tem uma sensibilidade no olhar muito sua. Ela é diretora, atriz e professora de teatro. Juntos, são uma explosão de imagens e sensações. Nos trouxeram o EntreNós, uma criação em cima da criação com a utilização de quadros da pintora Paula Rego. Eles nos trouxeram muito mais do que conseguiríamos escrever. Nos trouxeram uma história, sentimentos, sensações. Nos trouxeram os próprios corações.




Fabio Caio: ator, arte-educador, artista plástico, bonequeiro e palhaço dos Doutores da Alegria. Fundou o Mão Molenga Teatro de Bonecos em 1986. Está desenvolvendo um projeto de Bonecos intitulado Minha Negritude, onde cria uma série de bonecos negros. Os personagens de Fabio parece que falam com a gente. Eles falam com a gente no olhar, na expressão, no figurino. Eles falam de respeito, de amor, de beleza e daquilo que não se é descritível sem precisar de uma palavra sequer.


Não deixe seu sábado acabar sem visitar a Galeria Espiral de hoje: https://www.culturaiminente.com.br/espiraldasartes-galeriaespiral

12 visualizações